Filosofando sobre verdades predeterminadas

“Penso, logo existo” ja dizia o bom e velho filosofo René Descartes. O fundamento desse pensamento para o filosofo frances do seculo 17, estah na duvida, ou melhor, em duvidar da verdade de todas as coisas. Quando voce duvida, isso te faz pensar… e se voce pensa, voce existe. Para Descartes devemos pensar duvidando dedescartes tudo, convencido de que tanto a opinião tradicional como as experiências da humanidade são guias de mérito duvidoso. E a isso chamamos de pensamento cartesiano, que nada mais eh do que iniciar um pensamento com verdades ou axiomas simples e evidentes por si mesmos, e depois raciocinar com base nele, até chegar a conclusões particulares.

Assim, essa seria uma forma filosofica de se comprovar a nossa existencia, sendo “existencia” a qualidade de tudo o que é real ou existe e a base de todas as outras coisas.

Jean Paul Sartre, tambem filosofo frances, mas do seculo 20, estudou a fundo a “existencia” e as relacoes da consciencia. Segundo Sartre, para explicar as relações da consciência é preciso determinar dois seres: o ser “Em-si” e o ser “Para-si”.
Podemos entender um ser “Em-si” como qualquer objeto existente no mundo e que não é nada além daquilo que é. Eh fundamentado em três características: o ser é, o ser é o que é, o ser é em-si. A grosso modo, pode ser uma cadeira, um inseto ou qualquer outro ente que nao tenha consciencia de si ou do mundo. Ele apenas é.
Ja o ser “Para-si” faz relações temporais e funcionais entre os seres “Em-si” e “Para-si”. Aosartre fazer isso, constrói um sentido para o mundo em que vive.
Em outras palavras e ainda a grosso modo: seres “Em-si” tem uma essencia que antecede a sua existencia, uma essencia pre-determinada. Um exemplo seria a cadeira: antes de ser cadeira (existir), ela foi planejada e construida para ser uma cadeira (essencia). Ja os seres “Para-si” (ateh onde sabemos, somente os sao os seres humanos) possuem a existencia que precede e governa a essencia. Por esta razao, o ser “Para-si” tem a liberdade de fazer de si o que quiser.

Voce pode perguntar: “qual o sentido da minha vida? Por que eu existo?” E a resposta que Sartre talvez te daria seria: voce eh livre para decidir. A sua existencia precede a sua essencia e voce, por isso, eh livre para decidir qualquer coisa e mudar a sua vida a qualquer momento. Voce pode dizer que existe para ensinar, e então estudar para ser professor. Ou voce pode dizer que existe para jogar futebol e tentar entrar em um time e ficar famoso. Voce pode ainda decidir que existe para louvar a Deus e comecar a frequentar uma igreja, mesquita ou sinagoga. A decisao sempre vai ser sua porque voce estah condenado a ser livre. A responsabilidade de decidir e assumir as consequencias de cada decisao sua, eh sua. (Estamos na filosofia de Sartre. Nao vamos abordar o Marxismo nesse texto). Se voce leu ate aqui: obrigado, pela paciencia… rsrs. Voce chegou ao ponto onde eu queria chegar e a partir daqui (com base no que voce leu ateh agora, ou seja, na filosofia existencialista), precisaremos recomecar.

Eu trabalho com pessoas de diferentes nacionalidades, culturas e religioes. Um dia falavamos sobre o monoteismo e um grande debate comecou quando o assunto “triunidade de Deus” veio a tona. Logo, surgiu a questao: Por que Deus precisaria ser triuno?
deus-trinoAntes de mais nada, temos que assumir a existencia de Deus (algo que ja contraria o pensamento cartesiano, pois eu posso afirmar que eu existo, mas nao posso comprovar a existencia de Deus). Temos que fazer isso com base em alguma mitologia ou religiao. Como falamos de triunidade, consideraremos a Biblia como a fonte da afirmacao, assumindo assim um pensamento dogmatico (e nao cetico) e aceitando que Deus exista. Vamos entrar num campo “filosofico” perigoso. Mais tarde vou explicar o porque.
Bem, aceitando a existencia de Deus, fazemos entao a pergunta: por que Ele seria ou precisaria ser triuno?
Ao fazer uma rapida pesquisa na internet, me deparei com um texto interessante do blog “Saber e Fe” que, em sua ultima parte, diz:

“Alguns autores dizem que, hipoteticamente, se Deus não existisse em sua forma trinitária, ele sequer poderia existir. Concordamos com eles. A triplicidade em Deus garante sua imutabilidade ao impossibilitar na divindade um aperfeiçoamento progressivo. Este raciocínio baseia-se primeiramente no desenvolvimento da personalidade humana, que só é possível ser estabelecida por intermédio do contato com outra personalidade, necessariamente igual a ela, de outro ser da mesma espécie. Aplicando este raciocínio à divindade, se Deus, antes da criação, não tivesse se relacionado com outro ser igual a ele, ele não teria sua autoconsciência fixada. Acreditamos que, em certo nível (repetimos, em certo nível), pode-se estabelecer a personalidade humana como padrão pelo qual podemos entender a divina, admitindo que, como portadores da Imago Dei, o conceito que temos de personalidade sequer origina-se em nós, mas em Deus. As implicações da ausência de uma autoconsciência em Deus podem atingir patamares dramáticos ao imaginarmos que, se Deus não tivesse amado alguém antes da criação, ele só saberia o que é amar depois de ter criado alguma coisa e, desta forma, ele não seria perfeitamente imutável, já que teria aprendido algo. Ainda, se Deus não tivesse tido contato com outro ser exatamente igual a ele, ele jamais seria um Ser pessoal e autoconsciente. Agora, quem ele poderia ter amado antes da criação se nada existia a não ser ele próprio? Com quem o Senhor teria se relacionado antes da criação se não havia ninguém com quem ele pudesse se relacionar? A resposta a estas duas perguntas reside na existência trinitária de Deus.
Justamente por isso, o Senhor é o Deus que conhecemos. Ele sempre existiu em três pessoas e, por isso, sempre teve autoconsciência, pois sempre esteve em relacionamento interno. Desta forma, se Deus não fosse trino, ele não teria a natureza que revelou possuir, não teria os atributos que mostrou deter. Não haveria um Deus perfeito e imutável, logo, não poderia haver salvação. Conclui-se que o Senhor, tal como ele revelou a si mesmo, existe em uma triunidade.”

 

E logo abaixo, nos comentarios, um internauta chamado “Vagner” rebate:

“Totalmente infundado, Deus é o próprio amor, ele não precisava de outra pessoa para saber o que é amar, ele é o próprio amor: 1joao 5:8 – Deus é amor”

 

Aqui nos vemos diante de dois posicionamentos: o do internauta que, ao citar o versiculo biblico que diz que “Deus eh amor”, se fecha ao questionamento. Ele nao demonstra interesse em querer entender melhor como seria Deus e, passivamente, aceita a doutrina biblica (dogmatismo); e o do autor do texto que explica a importancia de se crer na doutrina trinitaria por meio de uma comparacao do homem com Deus. Essa comparacao faz todo o sentido, uma vez que o homem foi criado segundo a imagem e semelhanca de Deus (Gen 1:27) e, a partir da analise da criatura poderiamos deduzir como seria o Criador. No entanto, eh aqui que embarcamos no “campo filosofico perigoso” que citei anteriormente.
Eh muito perigoso filosofar sobre verdades pre-estabelecidas (neste caso especifico, sobre os dogmas biblicos). No inicio desse texto escrevi que, para Descartes, devemos pensar duvidando de tudo, convencido de que tanto a opinião tradicional como as experiências da humanidade são guias de mérito duvidoso. Do contrario, podemos chegar a conclusoes desastrosas. Vou dar um exemplo sobre isso: livre
O Criador dos ceus e da terra deu ao homem o livre-arbitrio. A expressao em si nao estah na Biblia, mas logo no segundo capítulo do livro de Gênesis, Deus fala com Adão, dizendo que ele tinha uma escolha, a de não comer o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. (Gênesis 2:16-17). Enfim, como falado anteriormente, Sartre entende a liberdade como uma condenacao, ja que o ser humano (Para-si) tem a consciencia de que eh e pode decidir para si o que quer (ignorando ou nao as consequencias de sua decisao). Para os que creem na Biblia, Deus “agracia” o homem com o livre-arbitrio para que ele possa decidir se quer louva-Lo e ser salvo ou ignora-Lo/desobedece-Lo e ser condenado.
Mas por que Deus “presenteou” o homem com o livre-arbitrio?
Para defender a existencia do Deus biblico [onipotente (Gênesis 17:1), onisciente (Jeremias 10:12) e onipresente (Salmos 139:7-8)], o autor do texto acima diz que a trindade garante a imutabilidade de Deus, nao deixando que Ele se aperfeicoe – porque Ele ja seria perfeito.
Sendo Deus onisciente, Ele ja sabia que o homem pecaria se desse a este o livre-arbitrio. Entao, por que o fez mesmo assim? Seria Deus um ente que tem prazer em ver a sua criatura sofrer? Ou quer Deus que o homem siga um processo evolutivo?
doubtSe Deus quer que o homem siga um processo evolutivo, por que Deus o fez imperfeito para que entrasse numa jornada em busca da perfeicao (a qual o homem nunca alcancara, uma vez que a perfeicao esta em Deus e, a partir do momento que algum homem consiga atingir a perfeicao, este tera alcancado a Deus… ou quiça, se tornado um outro deus – impossivel dentro da crenca monoteista)? E mais: qual o prazer de se criar um ser imperfeito e assisti-lo (talvez auxiliando-lhe, talvez nao) ate a sua perfeicao? Sadismo? E por que Deus, na sua perfeicao, nao criou tudo e a todos perfeitos?
A liberdade biblica fez o homem pecar. Sartre vê a liberdade como uma condenacao. Ha um erro, uma falha, que estaria ou no Criador, ou na Sua criacao ou em ambos. Sendo a liberdade uma verdade (ela existe, afinal de contas!) e falível em si mesma, podemos levantar algumas hipoteses acerca do Criador:
– Ou Deus nao eh onipotente e onisciente; ou
– Deus eh sadico; ou
– Deus nao eh bom; ou
– Deus tem um proposito, mas nao quer revelar. (Algo parecido com o texto de Shakespeare que diz: “Há mais mistérios entre o céu e a terra do que a vã filosofia dos homens possa imaginar”); ou
– Deus nao existe;
Nas 4 primeiras hipoteses, haveria uma falha (ou de poder ou de caráter) em Deus. Na ultima, teriamos que aceitar a sua inexistencia.
Assim, a existencia da liberdade no homem (sendo essa o livre-arbitrio ou uma condenacao), seria um “pequeno exemplo” de como o poder, a existencia ou o carater de Deus (sempre referindo-me ao Deus da Biblia) poderia ser colocado em cheque. Varios outros exemplos poderiam ser citados (mas o texto ficaria mais longo do que ja estah) sobre o problema de se filosofar sobre verdades pre-determinadas (em qualquer mitologia ou religiao).
Bem, e quanto a triunidade de Deus?
Infelizmente a filosofia nao consegue nem comprovar de fato a existencia de Deus, muito menos certificaria sobre a sua trindade. Mas eu creio que a melhor resposta para essa pergunta seria: Depende de voce! Depende do que voce prefere acreditar, ja que voce esta condenado a ser livre.

PS: Nao agrega ao texto, mas soh para constar: sou deista, e portanto, acredito – atraves do livre pensamento – que uma forca superior criou o universo e tudo o que nele ha. Nao creio que Deus interfira na sua criacao (revelacao direta ou milagres) e nem nas leis da natureza.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Filosofia, Religião

Protesters block Dutra Highway

Reporter MAURICIO BACCARIN

Edition FABIO BASSO

Images EMERSON GALATTI and FABIO BASSO

Interviewees FABIOLA CALDERON (TELEMARKETING OPERATOR), SANDRA SOBRINHO (TEACHER), WILSON ALVES (STUDENT) and GERALDO PEREIRA (RETIRED)

1 Comentário

Filed under Brasil, Mundo, World

Programação da TV Câmara já chega a 9 horas por dia

O jornalista Maurício Baccarin apresenta o noticioso

O jornalista Maurício Baccarin apresenta o noticioso

Fonte:  Imprensa Jacareí

O telejornal da TV Câmara Jacareí – ‘Notícias de Jacareí’ – passou por reformulações em seu conteúdo, formato e visual. Desde o dia 06 de maio, o jornal está com novo cenário, mais amplo e adequado à transmissão “widescreen”, e consolidou dois quadros fixos em suas edições.

Além do “Giro de Notícias”, em que diariamente são divulgadas as atividades parlamentares, o telejornal agora possui os quadros: “Esporte NJ” e “Agenda Cultural”. O Esporte NJ vai ao ar todas as segundas-feiras com os resultados e resumos esportivos da semana e a Agenda Cultural apresenta os eventos culturais de Jacareí todas as sextas-feiras.

O ‘Notícias de Jacareí’ é transmitido de segunda à sexta, às 13h, com reprise às 15h, 17h, 20h e 22h.

Contraplano – A TV Câmara Jacareí, canal digital 61.4 UHF, 27 da Net, estreou em março o programa ‘Contraplano’. O espaço é dedicado à exibição de documentários, curtas e longas metragens, clipes e produtos audiovisuais produzidos na região.

Para assistir os programas basta sintonizar o canal 61.4 UHF digital, na TV aberta, ou o canal 27 da NET. A programação também pode ser acompanhada ao vivo pelo site http://www.camarajacarei.sp.gov.br.

Deixe um comentário

Filed under Brasil, Cotidiano

São José Rugby

Muitos não sabem, mas São José dos Campos é a capital nacional do Rugby.

Para divulgar esse esporte fascinante, meus amigos, Rodrigo Ribeiro e Thiago Bueno, produziram um documentário sobre o São José Rugby (http://saojoserugby.com.br) e estarão apresentando este belo trabalho na Expocomarte, no Pavilhão de Eventos da Univap, entre os dias 27 e 29 de novembro. Vale a pena conferir!

Segue abaixo o teaser do documentário:

Deixe um comentário

Filed under Brasil, Esporte

A mais importante eleição dos últimos tempos

Mais do que uma disputa presidencial, a eleição americana de 2012 se apresenta como um jogo de xadrez onde os adversários têm como desafio estabelecer o destino pragmático das ideologias praticadas até o momento, e como fim, alavancar a economia do “país da liberdade” frente ao cenário de crise global e abismo econômico.

O Partido Republicano que já teve como característica o conservadorismo, pratica o Laissez-Faire, símbolo da incontestável liberdade que proporciona ao povo. Liberdade? Entende-se incontestável nos parâmetros do final do século XX, já que o capítulo dos subprime com a desenfreada liberação de crédito demonstrou claramente o perigo do liberalismo, que pode ser melhor definido como uma libertinagem econômica.

E como sempre, a bolha, ou melhor, a bomba estourou na mão da população que, através do governo, teve que arcar, com dinheiro público, os altos custos das especulações geridas por bancos privados. É o velho círculo vicioso: os pobres ajudando os ricos a não prejudicá-los ainda mais.

Definitivamente caminhamos para a queda do poder estatal.

O desafio do republicano, Mitt Romney, é a manutenção dessa liberdade econômica equiparada à geração de emprego e renda… um contra-senso, talvez.

Por outro lado, vemos em Obama a solidificação, ainda que lenta, da base econômica através da fixação de impostos proporcionais aos rendimentos de cada um, ou seja, quem é mais rico, paga mais imposto. Parece óbvio do ponto de vista proporcional, mas a questão torna-se complexa se verificadas as garantias individuais e o princípio da igualdade, expressa na famosa frase: “todos são iguais perante a lei”.

Com a “queda” do princípio da igualdade (óbvio dentro do sistema capitalista), ou melhor dizendo, com a explicitação dessa utopia capitalista-igualitária, vê-se cerceada, pelo menos em parte, o princípio da liberdade, a base do “sonho americano”. Isso porque quem ganha mais, é taxado mais. E quem é taxado mais, rende menos e desacelera (ainda mais) a economia.

É como se o próprio presidente americano falasse ao seu povo: “Não somos tão livres assim”.

Deixe um comentário

Filed under Mundo, World

The most important election of recent times

More than a presidential race, the American election of 2012 presents itself as a chess game where the opponents are challenged to establish the pragmatic fate of the ideologies practiced so far, aiming to boost the economy of the “country of freedom” against the scenario of global crisis and economic abyss.

The Republican Party, which has already had conservatism as its main feature, practices Laissez-Faire, symbol of the undeniable freedom provided to the people. Freedom? Let’s understand “undeniable” in the parameters of late twentieth century, since the sub prime chapter and the unbridled release of credit has clearly demonstrated the danger of liberalism, which can be better defined as an economic libertinism.

And as usual, the bubble, or rather, the bomb exploded in the hands of people who, through the government, had to cope with the high cost of speculations which were run by private banks, by using public money. It’s the old vicious circle: the poor helping the rich not to jeopardize them even more.

We’re definitely moving towards the fall of state power.

The challenge to the Republican candidate, Mitt Romney, is the maintenance of economic freedom and the generation of employment and income… nonsense, perhaps.

On the other hand, Obama represents the solidification of the economic base by setting taxes proportional to the income of each, that is, he who is richer, pays more taxes. It seems obvious from the standpoint of proportion, but the issue becomes complex if verified individual guarantees and the principle of equality, as expressed in the famous phrase: “all are equal before the law.”

With the “fall” of the principle of equality (obviously inside the capitalist system), or rather, with the exposure of the egalitarian-capitalist utopia, it is curtailed, at least in part, the principle of freedom which is the foundation of the “American Dream”. This is because those earning more are taxed more, and those who are taxed more, yield less and slow the economy down.

It’s as if the American president himself spoke to his people: “We are not that free.”

Deixe um comentário

Filed under Mundo, World

Qual a sua ideologia política?

A Revista Veja, com a ajuda do sociólogo Alberto Almeida, preparou um teste chamado “Politicômetro” que pode auxiliar na análise da sua ideologia política.

Nesse teste é possível verificar a sua posição no quadrante esquerda-direita e liberal-antiliberal. Faça o teste agora mesmo clicando aqui e nos conte se você foi surpreendido com o resultado.

Segundo os jornalistas Gabriel Castro e Laryssa Borges, treze políticos foram convidados a responder as questões do “Politicômetro” e alguns obtiveram resultados curiosos.

O senador Valdir Raupp, presidente do PMDB, foi marcado como liberal de centro-direita no exame. E não gostou: “Eu queria ter ficado mais para a esquerda”, disse. O peemedebista pediu para refazer a avaliação, orientado por um assessor. Dessa vez, saiu-se como centro-esquerdista e ficou satisfeito.

Preocupado com o resultado do próprio teste, outro parlamentar pediu sigilo para fazer uma proposta: só aceitou participar da avaliação sob a condição de que, se fosse taxado como de direita, o resultado não seria publicado. No fim das contas, não precisava temer. Ele é dos centro-esquerdistas.

Há, também, incongruências que mostram a falta de identidade ideológica que atinge as legendas. O deputado Sílvio Costa (PTB-PE), um dos protagonistas da CPI do Cachoeira, embora pertença ao Partido Trabalhista Brasileiro, tem ideias surpreendentes: é a favor, por exemplo, de que benefícios como o 13º salário e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) sejam retirados da lei e negociados caso a caso. Ele acredita também que deve haver cobrança de mensalidades em universidades públicas. Apesar disso, não se vê como um liberal de direita. “Defendo o estado mínimo, mas sou de centro-esquerda”, diz.

Outro caso curioso é o do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). Foi marcado como um representante da esquerda antiliberal. O deputado é a favor, por exemplo, da aplicação de métodos violentos na tentativa de obter confissões de criminosos. Economicamente, entretanto, está mais perto do PT do que do DEM. “Acho mesmo que o estado tem que gerir a economia”, explica. “Mas costumo me identificar como conservador”.

Para o cientista político David Fleischer, a frouxidão ideológica dos partidos subsiste, em parte, porque o eleitor também não demonstra interesse pela macropolítica. “Alguns partidos políticos tenuamente tentam se filiar a uma ideologia, mas com tantas legendas, essas ideologias não ficam muito evidentes”, diz. “Para a maioria, estar em um partido ou outro não tem a ver com ideologia. E o eleitor também não liga muito para isso na hora do voto”.

Deixe um comentário

Filed under Brasil